A reinvenção do porta-a-porta

Entidade que reúne vendedores de livros porta a porta lança manuais para os novos tempos e leva o seu projeto de capacitação profissional para as redes sociais

De acordo com a última pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro, o canal “Porta a porta e Catálogo” é responsável por 4,3% do faturamento total da indústria editorial brasileira. A pandemia foi especialmente dura com esse segmento, que tradicionalmente atua em áreas onde não há livrarias e com pessoas que não estão habituadas ao uso de tecnologias. A venda é feita no corpo a corpo, com pessoas visitando as casas dos clientes. A pandemia, claro, impediu esse movimento. Por isso, a “reinvenção”, tão usada e até gasta neste momento, é palavra de ordem para empresas e profissionais que atuam neste segmento. A Associação Brasileira de Difusão do Livro (ABDL) lançou uma cartilha com orientações de segurança, conforme as normas das autoridades sanitárias. A ideia é fomentar livrarias de autoatendimento, feiras de livros em locais abertos e a venda em pontos de conveniência. Além disso, a entidade elaborou um manual com dicas de vendas em redes sociais para iniciantes. A ideia é ajudar o vendedor de livros a se comunicar com leitores, também no meio digital. Os associados interessados em solicitar os materiais podem entrar em contato diretamente com a entidade. A partir de agosto, o Projeto Fênix, cujo objetivo é capacitar o profissional de venda direta de livros, ganhará as redes sociais da entidade. Pelo Instagram da ABDL (@abdloficial), estarão vídeos e lives com convidados para falarem de temas ligadas ao segmento.

Fonte: https://www.publishnews.com.br/materias/2020/07/29/a-reinvencao-do-porta-a-porta