EVENTO DISCUTE O MODELO DE EMPRÉSTIMO DE EBOOKS E O PAPEL DO ESCRITOR

Na última sexta-feira (25/7), diversos profissionais do mercado editorial se reuniram em um evento online para debater o Empréstimo de eBooks, Leitura Virtual e o Escritor no Século XXI. O evento, promovido pela Árvore de Livros e pelo Clube de Autores, com apoio da União Brasileira de Escritores (UBE), contou com a participação de Galeno Amorim, CEO da Árvore de Livros; Ricardo Almeida, CEO do Clube de Autores; Sérgio Rodrigues, escritor e colunista; Tiago Ferro, editor da e-galáxia; e Joaquim Botelho, presidente da UBE.

Além disso, tiveram participação especial Carlo Carrenho, fundador do PublishNews; Maria Fernanda Rodrigues, colunista do Estadão; e Lucia Riff, agente literária.
Quem não assistiu ao debate ao vivo pode fazê-lo a qualquer momento acessando o link: http://migre.me/kux77.

Os participantes começaram sobre as mudanças que o digital e o modelo de empréstimo de ebooks trazem para o escritor. Joaquim Botelho apontou que o “escritor só faz sentido para si mesmo e para a sociedade em que ele vive se ele tiver uma obra circulante”. Portanto, a discussão toda gira em torno da leitura, “e a leitura independe da plataforma”, completou. Ricardo Almeida comentou que o surgimento dos novos modelos digitais e a autopublicação tornaram o autor ainda mais responsável pelo sucesso de seu livro entre os leitores, pois ele se torna responsável por divulgar e levar sua obra aos leitores. A distância entre os dois diminui. Segundo Ricardo, o autor sempre precisou fazer isso, mas a tecnologia diminuiu sua distância entre o escritor e o leitor e disponibilizou ferramentas que ampliam essa relação.

Já Tiago Ferro, dissertou sobre as novas possibilidades de comercialização e produção de conteúdo trazida pelas novas tecnologias, como o empréstimo de ebooks, disse também que isso abre ainda mais o caminho não para os autores independentes, mas para as obras independentes, já que mesmo autores que possuem uma editora escolhem publicar algumas de suas obras de forma independente. Sérgio Rodrigues deu o ponto de vista do escritor sobre todo esse processo de mudança que ocorre hoje no mercado editorial, e concordou que o suporte da literatura é algo secundário, e sempre existirá um mercado para “a palavra pura”, para a literatura, não importa como ela é comercializada.

Após todos os participantes terem discorrido sobre o tema, Galeno Amorim, mediador do debate, leu algumas questões postas pelos espectadores e também por Carlo Carrenho, Lucia Riff e Maria Fernanda Rodrigues.

Mais de cem pessoas assistiram ao debate em diversos estados do país e também no exterior. A iniciativa é a primeira de várias planejadas pela Árvore de Livros, uma biblioteca digital por assinatura que pretende revolucionar a leitura no país, levando milhares de livros a regiões onde não existem muitas bibliotecas e livrarias.