Venda de livros porta a porta cresce e títulos infantis lideram a preferência do brasileiro

A coluna Babel, publicada no Caderno 2 do dia 14 de junho, antecipa dados da pesquisa Perfil Setorial, feita pela Associação Brasileira de Difusão do Livro. Há muito informação interessante sobre a venda de livros porta a porta, mas o que me chamou a atenção foi ver que o brasileiro anda comprando muito livro infantojuvenil e poucas obras de autoajuda. E mais: e-galáxia e Bookstorming serão parceiras, um livro lindo de Toni Morrison para crianças, um estudo sobre campanhas eleitorais na América Latina, o badalado romance de Boris Fishman, etc.

PESQUISA: Venda de livros porta a porta cresce e infantis lideram lista

Existem hoje no País 30 mil profissionais que vão, de porta em porta, vendendo livros. Se antigamente a prática era mais usada para a comercialização de enciclopédias, agora os livros infantojuvenis lideram a preferência do brasileiro que abre sua casa para editoras, crediaristas e atacadistas. De acordo com uma pesquisa encomendada pela Associação Brasileira de Difusão do Livro (ABDL), que congrega esses três tipos de empresas, ao Instituto de Pesquisa Amigo, a venda de títulos para crianças representou 46,9% do faturamento das associadas em 2013. Em seguida, estão obras de referência (28,6%), livros técnicos (8,8%), literatura/paradidáticos (7,8%), religiosos (4,8%), autoajuda (1,6) e outros (1,6). Ainda segundo a pesquisa, a venda no porta a porta cresceu 9,38% entre 2012 e 2013 e o faturamento do setor superou R$ 1 bilhão. Para 62,6% dos entrevistados, o Vale Cultura pode dar novo impulso ao segmento.

Fonte: Blogs Babel – Estadão – Maria Fernanda Rodrigues